Agora no estado de São Paulo

 Voltar  Página Inicial Reflexões Notícias
Projetos Ferramentas Como é feito... Outros Sites
Como Comprar Meus Álbuns Comentários Quem Sou...
Catálogo de Miniaturas Avaliação do Cliente Perguntas Frequentes Contato

Fazendo miniatura de caminhão para trazer uma carga de boas recordações!

           English  

      Seu comentário estará visível após a moderação. Muito obrigado por participar!      


Nome

E-mail

Mensagem>

               

Miniatura do caminhão Scania L75 de metal

Catálogo de Miniaturas de chapa de metal estampada

Mini Linha de Montagem - Scania Projeto B

Miniatura da Motoniveladora Caterpillar 120B

Miniaturas de caminhão Scania

Revista Scania Experience da Austrália

Oficina Aberta - Um Pouco de História

Mit aller kraft

 

Esse texto não tem pretensão de vir a ensinar qualquer coisa a alguém. Ele é apenas para contar um pouco da minha experiência no aprendizado do idioma alemão. Aprendizado ainda em curso, até porque a gente nunca termina de aprender.

  Alemão é uma língua germânica ocidental que é falada principalmente na Europa Central. É língua oficial e a mais falada na Alemanha, Áustria, Suíça, Tirol do Sul (Itália), Comunidade Germanófona da Bélgica e Liechtenstein; é também um idioma governamental, mas não majoritária de Luxemburgo. Fonte: Wikipedia

 

Eu acredito ter certa predisposição a aprender idiomas, embora isso aconteça mais por hobby. O pouco que aprendi de Latim facilita na compreensão de idiomas como português, francês, italiano, espanhol, alemão e até mesmo inglês. Autodidata por força do destino, não acredito que alguém possa ensinar algo a outrem, mas que as pessoas aprendem se desejarem isso. Embora seja preciso dizer que o aprendizado vai, às vezes, “mit aller kraft” (“com toda a força” numa tradução livre, como na música da Linda Hesse). E começa aqui a citação de palavras que presumam que se aprendeu umas delas. Até tu? Quer dizer, até eu? Enfim, tem que ser com vontade, ou a coisa não vai adiante.


A fonética de alguns idiomas sempre me instigou a querer aprendê-los. Mas o início do aprendizado de uma língua estrangeira pode ser repleto de grafemas exóticos, palavras aparentemente impronunciáveis e frases que parecem não fazer sentido algum. Esse nevoeiro do início vai se dissipando à medida que persistimos no exercício de navegar pelo mar de palavras novas. Meu fascínio está, exatamente, em provar a mim mesmo que posso compreender o que parecia incompreensível. Sim, provar a mim mesmo, porque não faz sentido querer provar isso aos outros. Então, haja paciência, pois pode levar algum tempo até que o cérebro comece a se realimentar com o aprendizado. Mas tudo tem de ser interessante e divertido, o contrário não importa. Daí a utilização dos vídeos musicais como item de estímulo, pois o audiovisual se constitui num elemento mnemônico essencial. Se por um lado ter alguma experiência em latim ajuda, o prévio conhecimento da língua inglesa atrapalha um pouco no início do estudo da língua alemã. Algumas pessoas tendem as pronunciar os “w” e “ch” como se fosse inglês, mas isso passa.


As músicas de que mais gosto em alemão são as “Schlager”. Não adianta tentar traduzir do dicionário. Schlager é algo que tem de ser entendido dentro de um contexto social e histórico. É um estilo de música popular na Europa Central, principalmente, nos países de língua alemã. Talvez uma reação ao Rock’n’roll.
Basicamente, são melodias suáveis, de fácil compreensão que falam de sentimentos, relacionamentos e esperança. Emergiram no pós-guerra, no início da década de 50, quando a região precisava, mais que tudo, de um sentimento de otimismo. Todavia, as raízes do Schlager na Alemanha datam do inicio do século XX.


Ouvir essas músicas agradáveis ajuda muito, mas não é tudo. O arsenal para essa batalha deve conter um bom dicionário e um bom curso para entendimento da gramática. E, em se falando de gramática, a língua alemã não tem a riqueza e complexidade das neolatinas como a portuguesa, a francesa, a espanhola, a italiana e outras línguas da mesma ramificação. Isso, principalmente, com relação à conjugação verbal. No alemão, o diabo está no uso dos artigos. A declinação pode parecer assustadora se quiser levar muito a sério. Não é como em português onde, basicamente, um substantivo terminado em “a” é precedido pelo artigo “a” e terminado em “o”, pelo artigo “o”. Até onde entendi, na língua alemã é necessário conhecer as palavras e os artigos adequados a cada uma delas. Pessoas, como eu, acabam usando muito e erroneamente o artigo “das”. Lembra-se das declinações no latim: genitivo, dativo, nominativo, etc.? Pois bem, aí a diversão é parecida. Quem conheceu uma língua gramaticalmente pobre como o inglês, onde se usa o artigo “the” para quase tudo, pode ficar perplexo com as infames tabelinhas dos artigos em alemão.

 

Artigos definidos
  Masc.  Fem. Neutro Plural
N der die das die
A den die das die
G des der des der
D dem der dem den

 

Artigos indefinidos
  Masc. Fem. Neutro
N ein eine ein
G eines einer eines
D einem einer einem
A einen eine ein

Mas deixando a conversa sobre a  gramática de lado, vamos para a parte que acho mais divertida: as músicas.

Vamos começar com a música cujo título tomei emprestado para o artigo. Segundo consta, foi escrita em apoio às crianças com câncer. Fala de apoiar nos momentos difíceis.

Linda Hesse - Mit aller kraft

 

Beatrice Egli - Ohne Worte

 

Michelle - Große Liebe

 

 

Melissa Naschenweng - Net mit mir

 

 

SEER - Sche wars wenns do warst

O problema é entender esse dialeto austríaco, mas esse pessoal é muito bom.

 

 

Helene Fischer - Phänomen

Essa é um fenômeno.

 

Mas não deixe de navegar com Andrea Berg

Andrea Berg - Seemann

 

A lista é muito grande. Depois adiciono mais.

 

 

 

 

 Comentar
Comentários